10.4.13

PROGRAMA PARA PERDOAR


Esforce-se para impedir que a ofensa se
converta em mágoa. Silencie o sucesso infeliz em
que se viu envolvido. Acautele-se, face aos
comentários que lhe tragam os maledicentes e os
levianos. Reflita maduramente, valorizando o ensejo
e retirando proveito da lição que o alcança
em forma de sofrimento. Se você é inocente,
exulte. Se é culpado tranqüilize-se diante
do pagamento. Não fique remoendo,
mentalmente o acontecido. Pense na hipótese
de o seu agressor estar enfermo. A posição da vítima
é sempre melhor. Enseje ao desafeto oportunidade
para a reparação e o retorno. Se tudo estiver,
aparentemente, contra você, fiscalizado
por uns, perseguido por outros,
mantenha inalterada sua confiança em Deus,
que tudo sabe. Desgraça verdadeira é perseguir,
inquietar, comprazer-se na dor alheia, envenenar-se
com o azedume e a cólera. Perdoando, você estará
sempre em paz, podendo auferir mais tarde as
vantagens de haver sido enganado,
perseguido ou ultrajado, com o espírito
livre de outros débitos, de que,
então se encontrará liberado.
( Marco Prisco )

PROGRAMA PARA PERDOAR

Esforce-se para impedir que a ofensa se 
converta em mágoa. Silencie o sucesso infeliz em 
que se viu envolvido. Acautele-se, face aos 
comentários que lhe tragam os maledicentes e os 
levianos. Reflita maduramente, valorizando o ensejo 
e retirando proveito da lição que o alcança 
em forma de sofrimento. Se você é inocente, 
exulte. Se é culpado tranqüilize-se diante 
do pagamento. Não fique remoendo,
mentalmente o acontecido. Pense na hipótese 
de o seu agressor estar enfermo. A posição da vítima 
é sempre melhor. Enseje ao desafeto oportunidade 
para a reparação e o retorno. Se tudo estiver, 
aparentemente, contra você, fiscalizado 
por uns, perseguido por outros, 
mantenha inalterada sua confiança em Deus, 
que tudo sabe. Desgraça verdadeira é perseguir,
inquietar, comprazer-se na dor alheia, envenenar-se 
com o azedume e a cólera. Perdoando, você estará 
sempre em paz, podendo auferir mais tarde as 
vantagens de haver sido enganado, 
perseguido ou ultrajado, com o espírito 
livre de outros débitos, de que, 
então se encontrará liberado.


( Marco Prisco )