25.5.13

O PODER DA PALAVRA E DO PENSAMENTO


Livro Obreiros da Vida Eterna (FEB), de André Luiz, item 2, no Santuário da Bênção, a espiritualidade nos ensina que deveríamos selecionar e cuidar mais do que falamos, pois as palavras criam campos favoráveis ou não aos nossos serviços.
A conversação cria o ambiente e coopera em definitivo para o êxito ou para a negação.
Exorta-nos a valorizar o tempo, se estamos verdadeiramente interessados em nossa elevação. E cita frase de profeta da antiguidade “a palavra dita a seu tempo é maçã de ouro em cesto de prata”.Não desperdiçar o tempo, com palavras inúteis é o que visa alertar.
Diz “somos de parecer que precisamos sanar os velhos desequilíbrios das intromissões verbais desnecessárias e, muitas vezes, perturbadoras e dissolventes nos ambientes que freqüentamos.
E também que” no mundo carnal, metade do tempo é desperdiçada inutilmente, através de conversações ociosas e inoportunas. Não se previnem nossos irmãos de que o verbo está criando imagens vivas, que se desenvolvem no terreno mental a que são projetadas, produzindo conseqüências boas ou más, segundo a sua origem.
Essas formas naturalmente vivem e proliferam e, considerando-se a inferioridade dos desejos e aspirações das criaturas humanas, semelhantes criações temporárias não se destinam senão a serviços destruidores, através de atritos formidáveis, se bem que invisíveis.
Citam que a ausência de qualquer palavra menos digna e a presença contínua de fatores verbais edificantes, facilitam a elaboração de forças sutis, nas quais os orientadores divinos encontram possibilidades de trabalhos a nosso favor. Toda conversação prepara acontecimentos de conformidade com a sua natureza.
Dentro das leis vibratórias que nos circundam por todos os lados, é uma força indireta de estranho e vigoroso poder, induzindo sempre aos objetivos velados de quem lhe assume a direção intencional. E, como tudo começa na mente, ensina-nos a necessidade permanente da limpeza interna do pensamento. Lembram pessoas que vão às casas espíritas, igrejas, templos, enfim em busca de bênçãos, que não se esqueçam da necessidade imperiosa de pensamentos limpos. ”Quem busca uma casa especializada em abençoar, não pode hospedar idéias negativas, não dignas, de rancor, ódio e falta de perdão. Pois terão dificuldades em ser ajudados, falta de seu preparo íntimo e pelo campo negativo que criam em torno de si, por sua negatividade interior.” O Missionário do bem, onde quer que se encontre, é sempre um semeador de luz”.
(André Luiz) E a palavra deve ser sempre um dos meios de iluminação.