28.7.13

DOMINGO DE AMOR


Domingo é como o amor - nunca deixa de nos proporcionar motivos para um poema, uma crônica, um texto...Meu domingo foi meio zen. Lá fora o sol disputava espaço com pequenos pingos de chuva. Quando o sol ganhava vinha a tentação de nadar. Quando o tempo fechava a vontade de ficar na cama sem fazer nada.
Sendo domingo como o amor, logo a gente se organiza nesses dois tempos que a estação nos oferece. Se para o amor não faltarão jamais tintas, caneta e assunto, para o domingo também não.
Gosto de domingo por ser litúrgico. Liturgia é coisa de dentro, onde cada um tem seu altar e reza a sua própria oração e cultua sua própria simbologia de prazer, de amor ou de dor. Por isto o domingo é um pouco esse halo que, imaginariamente, toma conta das nossas cabeças e nos transforma santos sendo demônios e demônios em santos, dependendo do astral interior.
Os ritos do domingo podem ser confundidos com os do amor.
Almoço em família é coisa de amor e de domingo. Desfolhar um livro, assistir um bom filme, visitar amigos, fazer nada.
Tudo é aptidão do domingo e do amor. Como a vida, o domingo e o amor acontecem no administrar de pequenas acontecências - mais essências do que acontecências, pois a simplicidade da vida requer criatividade 'quando a questão é ser FELIZ'.
Ser FELIZ pode estar perto de cada um e talvez haja quem não se aperceba disto. Por isto é bom esse despertar, pois a vida é uma melodia que depende de cada um o seu tom: para uns RÉ maior, para outros Dó maior, mas para os que tiverem o privilégio de conviver bem com a simplicidade da vida - certamente a sua canção será SOL maior...Com o sol vêm prenúncios de um tempo feliz.
D.A.

Via Fonte Eterna