11.7.13

Sobre o mal que bate à nossa porta!

O mal pode entrar em sua vida pelas mais variadas formas: raiva, ciúme, desânimo, tristeza, inveja, orgulho, vaidade e outros tantos sentimentos mal resolvidos.

Quando o mal bater à sua porta, abra-a com cuidado.

Olhe para ele, avalie-o, respeite-o, mas resista à tentação de deixá-lo entrar.

Não subestime o poder que ele tem, mas não lhe dê mais poder ainda.

Reflita na melhor maneira de mandá-lo embora sem provocar ainda mais a sua fúria.

Faça uma oração, compreenda por que ele o está visitando e, gentilmente, de maneira equilibrada, porém, cautelosa, despeça-se dele.

Diga-lhe, sem arrogância nem fingimento, que você não precisa dele.

Então, feche a porta com cuidado, sabendo que, cedo ou tarde, ele poderá voltar.

Quando isso acontecer, faça tudo de novo, sempre tendo em mente que acolhê-lo ou deixá-lo de fora é uma escolha que pertence só a você.

Procure fortalecer o seu coração com sabedoria, confiança e dignidade, para que o mal, ao bater à sua porta, seja impedido de entrar pelas suas próprias virtudes.

    Mônica de Castro