22.9.13

Semeando o pensamento novo


A Doutrina dos Espíritos dá grande ênfase à necessidade de realizarmos um permanente repensar sobre a vida e as razões de ser de nossa existência, sempre com vista a nos aprimorarmos, alcançando uma visão de mundo cada vez mais ampla e profunda que permita uma integração entre os polissistemas culturais material e espiritual.

Nesse diapasão, os Centros Espíritas devem representar essa possibilidade de despertar em cada um essa potencialidade de descobrir-se a si próprio e de praticar um pensamento livre, nunca descurando dos cinco pilares básicos do Espiritismo, quais sejam, Deus, Jesus, livre-arbítrio, reencarnação e comunicação entre os polissistemas (mediunidade).

É preciso atentarmos para nunca desviarmos desse firme propósito de pensarmos e agirmos objetivando esse referido progresso, não havendo sentido em simplesmente requentarmos ideias  do passado sem a necessária reflexão e contextualização.

Não é possível engessarmos as estruturas do pensamento Espírita a ponto de incorrermos nos mesmos erros de outras religiões, que fecharam-se em si mesmas, em ideias anacrônicas e interpretações vacilantes a ponto de em pouco tempo tornarem-se completamente descoladas da realidade.

Precisamos sensibilizar a nós mesmos e a todos aqueles que procuram as lides Espíritas para a prática de um pensamento crítico e racional, que seja evolvente e permita um diuturno melhoramento tanto particular quanto social. As grandes lições deixadas por Jesus são de caridade e humildade e essa deve ser sempre a tônica de nosso pensar e agir.

Devemos nos policiar constantemente para não repetirmos ideias datadas ou nos contentarmos com interpretações extremamente simplistas e lineares da complexa realidade em que estamos insertos. Se a Doutrina dos Espíritos abrange a totalidade do conhecimento, representada pela unidade cogente entre ciência, filosofia e religião, devemos nos debruçar sobre esses três grandes eixos da macro-cultura humana para podermos de fato praticar um pensamento novo e contribuir para o efetivo melhoramento da humanidade.

Necessitamos tomar o cuidado de manter nossas mentes sempre abertas ao novo e nossos corpos sempre aptos e dispostos a se dedicarem nas fileiras do bem e da promoção da causa da humanidade. Para tanto, é preciso alcançar o equilíbrio e a serenidade que são próprios das pessoas de bem e que podem ser gradativamente conquistados com um crescente misto de reflexão e atitudes positivas.

Não há progresso sem esforço; não há inovação sem profunda reflexão; não há vitória sem firmeza e altivez de propósitos; não há descanso merecido sem trabalho intenso; não há transformação sem um plano de ação.

A Doutrina dos Espíritos nos fornece os instrumentos e instruções para lançarmos as sementes necessárias para esse pensamento novo. Compete a cada um de nós prepararmos a terra para receber essas sementes de forma que fortifiquem e frutifiquem o mais possível.

Rodrigo Fontana França- Para a Revista SER Espirita