16.10.13

Que tal criar a sua realidade?

A fim de que esse intento se realize, pare por um instante e crie uma tela mental visando o encontro frente a frente com tudo o que o lesa.

Logo, na sequência, escolha quais situações não lhe servem mais e quais nada agregam em sua vida. Sem titubear, descarregue o que deixou de fazer sentido promovendo rompimento definitivo com tudo o que lhe pesa na alma e aja no que preciso for.

Desobrigue-se das posturas que entristecem sua alma.

Pergunte-se em nome do que e de quem você tem permanecido de modo não saudável em sua própria existência e decida honrar-se acima de tudo. Dê permissão a você mesmo para que possa existir na essência do que realmente é e seja.

Para esse intento:

Prepare-se para abusar do termo “despadronização”.

Disponibilize-se para diminuir ou até mesmo deixar de se envolver em relacionamentos afetivos configurados na ordem da repetição. Pesquise em quais situações de sua vida você está num looping sem fim e peça ajuda aos verdadeiros companheiros de jornada para que o auxiliem a ver seus padrões repetitivos de manifestação.

Decida-se por viver em estórias que efetivamente são suas, que lhe dão gana de viver e abandone definitivamente “filmes e cenários” de outras pessoas e que, portanto, não lhe pertencem!

Pinte os seus próprios cenários como você merece e gosta!

Ouse fazer um mergulho a céu aberto no incomum que reside dentro de você, e em lá estando, escolha em quais de suas infinitas possibilidades de existir em novas realidades você irá existir.

Agora, que tal reciclar os afetos? Ah! Aproveite também para jogar fora tudo o que envelhece sua alma dentro deste quesito. Repare seriamente se está num relacionamento que não se renova e que lhe move constantemente de um estresse ao outro.

Reveja qual era a sensação de alegria de viver, quando criança. Retome estes sentimentos prazerosos e aprecie como seu corpo reage positivamente a eles, lembre-se de que isso é você no seu melhor. Observe como a vida ganha outro colorido.

Promova a expansão deste estado de alegria genuína e decida-se por ser feliz abrindo-se aos novos significados.

Nesta frequência, aprenda coisas novas, habilite-se. Faça desse status de transição a mentalização devida para que sua total renovação se estabeleça. Confie e conceba-se no seu melhor!

Opte por carregar em sua bagagem interior exatamente tudo o que foi bom, tudo que o dignificou e tudo que o edifica.

Amplifique a consciência dos seus propósitos, sem perder a referência do universo dos seus semelhantes. Muitas vezes, imaginamos que estamos ajudando o outro abandonando a nós mesmos e falhamos duplamente. Por vezes, ajudar é sair da frente. É deixar de se achar imprescindível e focar no imprescindível para a própria vida.

Aprenda a sentir o fluxo do ar que respira e entre num compasso harmônico com o universo, você pode.

Suporte passar por sensações e sentimentos muitas vezes incomungáveis. Suporte também a dor do outro, suporte sua potência e a sua impotência frente a determinadas situações de vida e fortaleça-se através dessas vivências.

Prepare-se com a máxima alegria e confiança na vida para reinventar-se, na proximidade nesse novo ciclo que se inicia.

Atravesse este portal de espaço e de tempo tendo em mente, sentindo e concebendo a materialização de seu ato criativo de acontecer de modo totalmente diferente do usual.

- Saia do repetitivo de você mesmo, aventurando-se na experiência do inusitado, também crie metas, recicle, restabeleça-se.

- Você pode, todos nós podemos. Ouse e conquiste!

Enfim, começo de tudo, realize-se. Ame-se.

Por Silvia Malamud