12.11.13

Esperanças ou ilusões?

Este artigo nasceu quando uma pessoa me disse: “”Eu perdi a esperança de…” e seu relato foi a descrição de uma espera não possível de se conquistar. Me lembro que lhe disse: “Você deixou de ter a ilusão…”. Na mesma hora foi como se uma tela se abrisse a sua frente e nela passou todas as imagens que este estado de “engano dos sentidos” geraram em suas ações. Por ter uma interpretação errada, agiu de forma que, por mais que se esforçasse, não conseguiria o que pretendia.

Vejamos o que o dicionário diz sobre ilusão: “Engano dos sentidos ou da inteligência. Errada interpretação de um fato ou de uma sensação. O que dura pouco. Dolo, fraude. Traição.”

Essa pessoa alimentou por muito tempo uma ilusão, achando que era plenamente viável de acontecer. Sua vontade era tanta que não percebeu corretamente tudo que se relacionava com o fato querido e que não seria possível realiza-lo.

Quantas vezes criamos expectativas cujas possibilidades de ocorrência não existem? Vamos ver aqui algumas definições do dicionário para esperança: “Ato de esperar. Expectativa na aquisição de um bem que se deseja. Aquilo que se espera, desejando. Alimentar aspirações”.

Vocês já ouviram e já disseram muitas vezes a expressão “doce ilusão”. O que é esperança e o que é ilusão? Como saber diferenciar uma da outra? Como agir sem correr o risco de alimentar ilusões ou de abandonar sonhos por confundir uma esperança com uma ilusão?

Não há uma regra para tal. O que precisamos, isso sim, é saber a diferença de uma e outra, para quando elas se manifestarem em nós, não ficarmos decepcionados a ponto de perdermos o encanto de viver.

O que para alguns se revela uma ilusão, para outros acontece e revela-se, então, que era uma esperança. Achar que quando se casar conseguirá fazer seu marido abandonar a droga é uma ilusão, mas acreditar que com amor e persistência poderá estimulá-lo a isso, é uma esperança. Achar que se fosse rico seria feliz é uma ilusão, mas acreditar que pode melhorar de vida através de seus esforços e com isso ter mais conforto, é uma esperança que poderá acontecer.

Não se pode falar em esperança sem falar em fé. Quem não tem fé, não acredita que algo possa ser possível. Mas dizer que por ter fé, “deus” fará as coisas melhorarem é ilusão, pois Deus não faz por ninguém, Ele dá as condições para que as pessoas façam. Muitas pessoas se afastaram de suas religiões porque deixaram tudo por conta de “deus”, e ficaram em seus cantos esperando milagres.

Milagre é o resultado de nossos esforços. Deus os faz, sim, mas precisamos fazer nossa parte também; caso contrário, Deus se tornaria apenas um “empregado” de nossos desejos, cujo pagamento seria um pensar de “muito obrigado, senhor”.

Há um provérbio que diz: “Acredite em Deus, mas tranque a porta de sua casa”. Achar que Ele ficará de plantão impedindo a entrada de “gatunos” é muita pretensão.

As decepções são frequentemente muito maiores do que os esforços que as pessoas realizaram na busca do que pretenderam. Aí, então, o desencanto as coloca no “quadrante” dos deprimidos e desinteressados, pois se sentem injustiçados e preteridos.

Não ter medo de sonhar, pois através dos sonhos descobrimos muito do que queremos, mas fazermos por conquistar.Quando se diz: “Faça por merecer” é o mesmo de trabalhe para isso. Não espere que “caia do céu”. O email que circula dizendo “é preciso sonhar para se viver bem, então, vamos dormir” é bom enquanto piada, mas muito triste quando percebemos que grande número de pessoas faz exatamente isso: porque sonham, acham que irá acontecer sem participarem, apenas aguardando.

Ter esperança é acreditar que, se trabalharmos na direção do que queremos, será possível. Então, não tenhamos a ilusão de que as coisas virão do nada. Se houve muitas decepções em suas vidas, reflitam quantas realmente foram esperanças e quantas foram ilusões. Pode ser que descubram que muitas esperanças se tornaram ilusões pela forma como agiram.

Por Paulo Salvio Antolini