12.11.13

O que temos para o momento?

São tantas as leis de felicidades que hoje em dia estão em vários manuais, e é capa de um livro bem interessante “O presente Precioso”, este o que vivemos – agora – é o melhor momento, a melhor época, o melhor tudo!

Tenho perguntado para muitos – ou questionado - É o que temos para o momento? Por vezes só constatando – É o que temos para o momento!

Então, que seja sempre o melhor. Não porque é o melhor, mas pelo que conseguimos fazer de melhor. Caso contrário, estaremos fazendo das decisões tomadas lá atrás um saquinho de ossos – extra – a serem carregados por nós para sempre. Ou sentir que tomar uma decisão hoje é tão assustador que impede a realização de qualquer projeto novo. Ou mesmo a restauração de algo que não ficou tão legal nos tempos idos.

É arriscado ser feliz, e não tentar me parece bem pior. Para tudo na vida tem certo grau de risco. Viver é arriscado. Nascer foi o maior risco que nós dispomos a correr para viver esta história, nesta época; na verdade, isto é o que temos para o momento! A vida!

Não está do jeito que queremos? Do jeitinho que sonhamos… Bom… pode-se fazer várias coisas com isso. Sentar e reclamar – o que com certeza trará uma perpetuação desta situação que não queremos e gostamos. Dizer que a vida é assim mesmo, e que as coisas não são nunca como queremos, é uma outra possibilidade, o conformismo é um jeito de viver!

Colocar a culpa da ruína do momento em questão nas costas de alguém de perto tipo: patrão, idade, filhos, família, falta de tempo – dinheiro – companhia ou nas costas de alguém que mora longe daqui, lá no planalto central ou arredores, é outra forma de se eximir da própria.

A pergunta continua valendo:- O que temos para o momento? Com certeza é trocar as opções anteriores, pela ação que vem de dentro, aquela que nos faz correr riscos. E nos leva mais à frente. Para onde?

Certamente para um outro momento – talvez aquele onde ser feliz tenha mais espaço! Criatividade é a palavra que nos faz sair deste enrosco todo. Penso em criatividade como um estado de espírito que é capaz de trazer escolhas novas para as situações. Quando paralisamos o fluxo espontâneo da criatividade, apenas disparando flechas de culpas para longe, não conseguimos mudar nada. Inteligência e criatividade são necessárias a nosso favor. E Ação é isto! Inteligência e criatividade juntas, nos levando adiante.

Coloque esta pergunta em sua vida – O que tenho para o momento?

Isto lhe dará pelo menos uma chance – a de pensar se quer continuar, parar o planeta para você descer, mudar tudo, sair fora… e muito mais… Perguntas, sem dúvida, inquietantes, mas ao mesmo tempo promissoras…

por Cássia Marina Moreira