15.11.13

Toda Palavra Que Você Pronuncia Adquire Vida!

Ao atingirmos certo grau neste nível de evolução, começamos a perceber os efeitos que nossas palavras, pensamentos e medos provocam neste momento crucial da humanidade.

Falamos negligentemente, criamos impulsivamente e profetizamos com base no medo.

Falamos como se nossas palavras não significassem absolutamente nada, vendo-as apenas como palavras, sem compreender que mundos foram criados por uma palavra, um pensamento, um decreto.

Não percebemos o poder que está à nossa disposição para destruir tudo ou criar uma Utopia, um Paraíso, um Céu na Terra. E assim sabotamos nossas próprias vidas, nossas finanças, nossa saúde, nossos casamentos e nossos futuros.

Todo pensamento que você tem está vivo.

Toda palavra que você pronuncia adquire vida.

Você a liberta do seu domínio pessoal.

Do mesmo modo que se liberta um gênio de dentro de uma garrafa, suas palavras e seus sentimentos aguardam um comando seu para entrarem no mundo da matéria e fazerem o que eles sabem fazer melhor – criar!

Toda criação é feita por você, para você e através de você!

O tempo entre pensamento e manifestação está cada vez mais curto, obrigando todas as pessoas a levarem sua atenção para o corredor espelhado da responsabilidade. É ali que os reflexos gritam: “Olhe o que você criou! Olhe o que você gerou!”

Sabendo que podemos e realmente criamos coletivamente tudo e qualquer coisa, entremos em ação e criemos um mundo de amor, de paz e de alegria; onde todas as crianças vão para cama com a barriga cheia, e todos os que não têm um lar substituam suas casas de papelão por uma casa de verdade. Enxerguemos a taça do nosso mundo sempre cheia em vez de meio-vazia e morna. Toda a vida responde aos nossos pensamentos e desejos, especialmente os pensamentos ou decretos casuais.

Como você ama, você atrai. Hoje você está onde seus pensamentos o trouxeram…amanhã estará onde seus pensamentos o levarem.

Você não pode escapar do resultado dos seus pensamentos, mas pode suportar e aprender, aceitar e ser feliz.

Gillian MacBeth