7.6.14

Foco, fé e positividade

– Você recebeu alguma bolsa na escola? – o jovem respondeu – Não.
– Foi seu pai que pagou pela sua educação?
– Sim – respondeu ele.
– Onde seu pai trabalha?
– Meu pai faz trabalhos de serralheria.

O diretor pediu ao jovem para mostrar suas mãos.
O jovem mostrou um par de mãos suaves e perfeitas.

– Você já ajudou seu pai no seu trabalho?
– Nunca. Meus pais sempre quiseram que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, ele pode fazer essas tarefas melhor do que eu.

O Diretor lhe disse:
– Eu tenho um pedido: ao chegar em casa hoje, lave as mãos de seu pai. E venha me ver amanhã de manhã.

O jovem sentiu que a sua chance de conseguir o trabalho era alta!

Quando voltou para casa, ele pediu a seu pai para deixá-lo lavar suas mãos.
Seu pai sentiu-se estranho, feliz, mas com uma mistura de sentimentos e mostrou as mãos para o filho. O rapaz lavou as mãos de seu pai lentamente. Foi a primeira vez que percebera aquelas mãos enrugadas e com tantas cicatrizes. Algumas contusões eram tão dolorosas que sua pele se arrepiou quando a tocou.
Esta foi a primeira vez que o rapaz se deu conta do significado deste par de mãos que trabalhara todos os dias, por tantos anos, para pagar seus estudos. As cicatrizes nas mãos eram o preço que seu pai teve que pagar por sua educação, suas atividades escolares e seu futuro.
Depois de limpar as mãos de seu pai, o jovem ficou em silêncio organizando e limpando a oficina. Naquela noite, pai e filho conversaram por um longo tempo.

Na manhã seguinte, o jovem foi encontra-se com o Diretor.
O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do moço quando ele perguntou:
– Você pode me dizer o que fez e aprendeu ontem em sua casa?
O rapaz respondeu:
– Lavei as mãos de meu pai e também terminei de limpar e organizar sua oficina. Agora sei o que é valorizar, reconhecer. Sem meus pais, eu não seria quem sou hoje... Por ajudar meu pai, agora percebo o quão difícil e duro é para conseguir fazer algo sozinho. Aprendi a apreciar a importância e o valor de ajudar a família.

O diretor disse:
– Isso é o que eu procuro no meu pessoal. Busco contratar uma pessoa que possa apreciar e ajudar os demais. Uma pessoa que conheça o sofrimento do próximo para fazer a coisa certa e que não coloque o dinheiro como seu único objetivo na vida. Você está contratado!

E você, já lavou as mãos dos seus pais algum dia?

Autor Desconhecido

Love Cats

Foto: No detalhe...

Foto: Texturas de inverno...

Foto: Aquecendo...

Foto: Apresentando o filho para as amigas...

Foto: No detalhe...

Foto: Frajolas...

Foto: ...

Adoro criatividade!

Via The Best of design

“Desejo que seus dias tenham flores, suas flores tenham vida, suas manhãs sejam de brisas. Enfim, que seu olhar sorria. Que sempre aconteça algo que ilumine sua face ao longo de cada dia.”

____ Sirlei L. Passolongo

Via Coisas que eu sei

“Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.”
Cora Coralina

Via Devaneios de Lila

Foto Perfeita

Via Diário da auto estima

Materialização das nossas crenças

Nosso subconsciente trabalha na materialização de nossas crenças.
Ele não tem senso de humor. Faz sempre o que acreditamos. Não falha.
Dessa forma, o fracasso não existe. Você foi sempre um sucesso!
Sua vida é obra sua. Você é responsável por suas experiências.
Mesmo aquelas que parecem não depender de você foram atraídas por sua forma de pensar.
As coisas não vão bem? Só colhe infelicidade?
É hora de perceber como você consegue fazer isso.
Certamente não escolheu a atitude adequada para obter bons resultados.
Mudando essa atitude, tudo se modificará.
A vida deseja que você desenvolva seus potenciais de espírito eterno e aprenda a ser feliz.
A felicidade é nosso destino e só o bem é verdadeiro. Para nos ensinar isso, a vida programa nossas experiências de acordo com nossas necessidades.
Através do resultado dessas experiências conquistamos a sabedoria.
Na queixa há sempre uma justificativa para continuarmos a ser como somos, mas há também uma auto-imagem negativa. Você pensa que não pode fazer nada, que é incapaz e não merece.
Conforma-se em ser pobre, em ficar em segundo plano, em pensar primeiro nos outros (“é feio pensar em você primeiro”).
Acha que, para você ter, outros terão que dar e perder. Como se Deus fosse pobre e tão limitado que para dar a uns teria que tirar de outros. Esses pensamentos são altamente depressivos e atraem infelicidade.
Seu subconsciente obedece às mensagens que você lhe envia.
Você tem todo o poder de criar seu próprio destino. Se deseja viver melhor, reconheça isso.
Faça uma lista de suas crenças e até das frases que costuma dizer.
Se puser atenção e for sincera, logo vai perceber quais as crenças que são responsáveis por sua infelicidade. Não pense mais nelas. Esqueça-as.
Quanto mais se preocupar em eliminá-las, mais pensará nelas e as alimentará.
Trate de cultivar o oposto. Faça afirmações positivas sempre usando o presente. Exemplo: “Eu sou feliz”, “Tenho muita sorte”, “Minha saúde está cada dia melhor”, etc. Escreva-as e espalhe-as em sua casa, nos lugares onde você possa vê-las constantemente. Repita-as várias vezes por dia.
Mas não se esqueça de pôr emoção nelas, acreditar realmente no que afirmar. Ignore aquela vozinha que lhe diz que não vai funcionar. Não custa nada experimentar.
Lembre-se de que todos os problemas de sua vida foram criados por você. Você foi, é e sempre será um sucesso. Suas escolhas podem ter dado um resultado diverso do que você esperava, mas você conseguiu materializa-las. Refletem o que você crê, e o que você crê seu subconsciente materializa..
Pense nisso.

Zíbia Gasparetto

Via Hierophant

Via Espirutualidade é amor

"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...

Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.

Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará."

Mario Quintana

Via Coisas que eu sei

Coragem: O Prazer de Viver Perigosamente

 

coragem


Se você sente dificuldade para confiar, então você tem de retroceder. Tem de mergulhar fundo nas suas lembranças. Tem de voltar ao passado. Limpar a mente das impressões do passado. Você deve estar carregando um monte de lixo do passado; livre-se dele.
Essa é a chave para ter confiança: se você conseguir não só recordar tudo isso, mas também se livrar dessas lembranças. Faça isso durante a meditação.
Todo dia, à noite, faça essa retrospectiva durante uma hora. Tente recordar tudo o que aconteceu na sua infância. Quanto mais fundo você for, melhor — porque você esconde muitas coisas que aconteceram, sem deixá-las aflorar na consciência. Deixe que elas venham à superfície.
Se fizer isso todo dia, cada vez irá mais fundo. Primeiro você vai se lembrar de quando tinha em torno de 4 ou 5 anos, e não conseguirá ir além disso. De repente, será como se tivesse diante de você a Muralha da China.
Mas siga adiante — pouco a pouco, você verá que está indo mais fundo: 3 anos, 2 anos... Existe quem já tenha se lembrado de quando saiu do útero da mãe. Há quem tenha lembranças de quando estava dentro do útero e há quem vá além disso, lembrando-se do momento da morte numa vida passada.
Mas se você conseguir chegar ao ponto em que nasceu e puder relembrar esse momento, será uma experiência profunda, dolorosa. Será quase como nascer de novo. Você pode gritar como o bebê gritou pela primeira vez.
Pode se sentir sufocado como o bebê ao sair do útero — porque, por alguns segundos, ele não consegue respirar. Sente um sufocamento terrível: então grita e volta a respirar; a passagem se abre, os pulmões começam a funcionar. Talvez você precise começar desse ponto. Retroceder dali.
Tente outra vez, toda noite. Isso levará de três a nove meses, pelo menos, e todo dia você se sentirá mais aliviado, mais e mais aliviado, e a confiança, por sua vez, irá aumentando simultaneamente.
Depois que o passado estiver claro e você tiver visto tudo o que aconteceu, você se livrará dele. Esta é a chave: tome consciência de tudo o que você tem na memória e você se verá livre disso. A consciência liberta, a inconsciência gera escravidão.


Osho -  "Coragem: O Prazer de Viver Perigosamente"

Via Suspiros da Alma

Via Entrelinhas

E afinal, você sabe de onde vem o amor?

 

Donald Zolan

Pois me conta um amigo querido que um dia uma criança sua conhecida, viajando no banco de trás do carro, pergunta à madrinha que dirige cuidadosa:

— Dinda! Você sabe de onde vem o amor?

— Não sei, não, meu querido. Tô tentando descobrir. Por quê? Você por acaso sabe?

— Eu sei! O amor vem do acreditamento…

Do alto de seus quatro anos de idade, o autor da tese entrou para a história de sua família. Fosse o mundo mais atento, entraria para a Academia Brasileira de Letras. E eu fiquei pensando que o maior gênio especialista na alma humana, o filósofo mais desprendido e o poeta mais iluminado não teriam uma suspeita tão acertada. Segundo o menino, o amor vem de lá, do que ele chama de acreditamento. Esse estado intermediário entre o susto inicial e a descrença final do amor. Esse território sublime, fundado para além das bandas da desesperança e da incompreensão.

Amar vem de acreditar. É lá, no lugar seguro onde impera a confiança, que se formam as primeiras possibilidades amorosas. Lá são geradas as populações de borboletas que esvoaçam incômodas no ventre dos apaixonados, as noites memoráveis de lua e conversa, os pássaros e sons que nascem com o dia.

Lá também, nos campos verdes da esperança, as paixões incendiárias refrescam seus ímpetos para aos poucos se transformar no amor que é entendimento, respeito, apreço, afeto e essas coisas que deixam a vida mais leve.

Como a criança e seu olhar generoso sobre a vida, quem acredita no amor não tem medo dos sentimentos ruins que o envolvem e o contradizem. A escassez do nosso tempo, o desespero superficial de suas causas, a pressão raivosa dos incompreendidos, a mágoa dos abandonados, a angústia dos perseguidos, o medo dos condenados.

Para dentro das fronteiras do acreditamento, o amor cozinha seu caldo quente, eterno e sublime que derrete todos os medos. A dor, o desamparo, os pavores de todas as causas. A espera da resposta indesejada, a notícia inesperada, as verdades duras jogadas na cara, as mentiras dolorosas, as sentenças de morte, as declarações de ódio, a intolerância, o abandono, a rejeição. Tudo, tudo isso são cidadelas vizinhas à terra da esperança, a seara vigorosa do amor à qual só tem acesso quem acredita.

Porque quem segue acreditando sabe que a saudade de toda sorte e toda gente, os álbuns de fotos antigas, as velhas mágoas, as ilusões perdidas, as demoras eternas, os longos anos que nos separam e os segundos que nos unem nada são senão degraus na longa escadaria que nos eleva ao amor mais puro e simples.

Veja também

Quem tem esperança não espera apenas, mas vai em busca. Peregrina até os campos mansos do acreditamento, onde brotam alegrias de todos os tipos e tamanhos, rompendo o solo com força em todos os cantos: a chegada de uma criança ao mundo, o amor cuidadoso nascendo no coração dos irmãos que ganharam um cachorro, os trabalhadores esforçados, a dignidade da vida, as grandes amizades, as paixões fecundando aqui e ali, marias-sem-vergonha explodindo suas sementes invisíveis de amor louco.

Lá, de onde vem tudo isso, se encontra todo o sonho que no mundo ainda resta. Lá se acredita no amor e em todos os seus outros nomes. Na coragem do primeiro encontro contra o medo da morte. Na liberdade contra a opressão de qualquer tipo, na compreensão contra a ignorância, na fartura contra a miséria.

Nos vales onde vivem todos os que acreditam, os caminhos são pavimentados de lembranças. Alegrias furtivas, casamentos inesquecíveis, tardes à beira de um lago de prata, risos, choros, descobertas, reencontros, grandes alívios, almoços de domingo e elas, as primeiras vezes, as tantas primeiras vezes de tudo na vida.

É de lá que vem o amor. Vê ali, naquela janela, o homem viúvo tomado de pesar? Ele vai sorrir de novo. Nota os motoristas cheios de gentilezas e cuidados no trânsito. Percebe as crianças olhando respeitosas para os velhinhos. Contempla toda essa gente servindo ao outro como escoteiros. Eles agem assim porque acreditam.

É assim que é. É de lá que vem o amor, forte, gentil, livre e generoso como a imaginação de uma criança passeando de carro. O amor vem de lá. Agora eu sei. O amor vem do acreditamento.

Eu acredito.

Via Revista Bula

Carta para alguém que acredita

Andar pela vida é como pintar um quadro.

Primeiro você desenha o esboço, imaginando o panorama daquilo que irá percorrer. Por enquanto, a pintura ainda está só na sua imaginação, nas suas intenções e nos seus sonhos.

Então você começa a preparar as suas cores, assim como prepara a coragem para enfrentar os obstáculos e a confiança para seguir em frente. Misturando verde com vermelho e alaranjado com azul, vai descobrindo tons que lhe surpreendem e desvios que não lhe interessam. Assim, prossegue equilibrando o seu pincel e escolhendo e andando por sua vida.

Chega uma hora em que você precisa descansar um pouquinho. A tinta do trecho que é a base da pintura precisa secar, para que você possa continuar pintando os detalhes por cima. Então, você treina a sua paciência e a sua ansiedade, pois para uma pintura ficar bonita, você tem que saber esperar. Depois que os dias se passarem, e os ventos finalmente secarem aquelas cores que são estrutura para as suas pontes, vem a parte mais trabalhosa, mas também a mais emocionante e mais feliz.

Aos pouquinhos, seu pincel vai desabrochando e uma flor surge do que era apenas um borrão de tinta. Você dá mais um passo e sorri ao se encontrar com a felicidade. Você finalmente pode abraçar as visões que lá atrás eram apenas um sonho esboçado.

E assim, sua pintura vai se preenchendo e seu caminho se colorindo. Você vai se descobrindo e ao mesmo tempo encontrando preciosidades e amigos e sentimentos sinceros que lhe fortalecem e empurram para frente. Você não tem mais medo de cair, e se cair, você se levanta e recomeça. Porque pintar permite borrões que podem ser corrigidos, já que não existe pintura feia para aquele que é corajoso.

É isso o que acontece quando se acredita em si mesmo, e em seus pincéis, seus papéis, suas palavras e seus pés que lhe guiam pela estrada que você mesmo constrói. A sua vida, a vida de todos nós, é uma grande aquarela onde todos os sonhos são possíveis desde que acreditemos e busquemos por eles.

Então, você se surpreende com o seu quadro que lhe inspira. Agora, não mais sozinho, viaja em seu barquinho a vela sentindo a brisa roçar seu rosto, rumo à próxima tela em branco, pois essa é a vida que nunca acaba e sempre espera.

Revista Bula

Via O Bosque de Berkana

A qual grupo você pertence?

Em uma importante universidade, um sábio professor, com grande dose de paciência, tentou começar a primeira aula do ano da nova turma, mas não conseguiu. Pediu silêncio educadamente várias vezes, sem sucesso. O professor, com voz firme, disse então:

“Queridos alunos, prestem atenção porque eu vou falar isso uma única vez. Desde que comecei a dar aula, anos e anos atrás, descobri que de cada 100 alunos, apenas 5 são aqueles que fazem a diferença no futuro; apenas 5 se tornam profissionais brilhantes e contribuem de forma significativa para melhorar o mundo. Os outros 95% servem apenas para fazer volume; não se dedicam, não se esforçam, não saem da zona de conforto, são acomodados, ficam na mediocridade. Passam pela vida sem deixar nada de útil.

Esta porcentagem vale para todo mundo. Se prestarem atenção, notarão que de 100 professores, apenas 5 são aqueles que fazem a diferença; de 100 garçons, apenas 5 são excelentes; de 100 motoristas de táxi, apenas 5 são verdadeiros profissionais que amam o que fazem. É uma pena não termos como separar estes 5% do restante, pois se isso fosse possível, eu deixaria apenas os 5% nesta sala e colocaria os demais para fora, então teria o silêncio necessário para uma boa aula e eu dormiria tranquilo sabendo ter investido nos melhores! Mas, infelizmente ainda não há como saber quais de vocês são estes alunos. Só o tempo será capaz de mostrar isso. Terei de me conformar e tentar dar uma aula para os alunos especiais, apesar da confusão que está sendo feita pelo restante.

Claro, cada um de vocês sempre pode escolher a qual grupo pertencerá: ao grupo que faz a diferença, ou ao grupo que passa pela vida sem deixar sua marca. Pensem bem. Ainda dá tempo de fazer parte do grupo certo, do grupo que faz a diferença. Obrigado pela atenção e vamos à aula”.

Esta simples história nos traz uma forte mensagem sobre a importância da dedicação, do comprometimento, do esforço-extra. Uma lição sobre sair da mediocridade, abandonar o comodismo e fazer as coisas realmente acontecerem. E você? A qual grupo você quer pertencer?

Um grande abraço a todos!

Carlos Hilsdorf